18 de Julho de 2024 | Coimbra
PUBLICIDADE

ANTÓNIO INÁCIO NOGUEIRA

Testemunhos: Água Nossa

9 de Outubro 2020

A água foi e é um dos nossos símbolos de vida: foi boa para beber, fazer andar os moinhos, alimentar chafarizes e lavadouros, transportar pessoas e bens; transformou terras inférteis em terras de semeada, a génese de vinhas, pomares e muitos verdes. Hoje, ainda continua a ser um dos centros primordiais da vida humana.

Aqui vai a água que desce dos penhascos da Serra

Extravasando pelas fendas, apertada nas frestas estreitas,

Gemendo e chorando pelas veredas por si abertas, acarreando sais minerais,

Afeiçoando os férteis torrões onde se planta tudo o que vai dar de Comer à dor dos pobres, e os abastados enriquece.

A levada que atravessa os lugares

É um ribeirinho sem margens,

Canta, baila, clama p’ los homens,

Para que juntando as mãos e as mergulhando nela, as ergam à boca,

Matem a sede da vida.

Quem me dera ser a água desta levada que lava,

Branqueia a roupa da existência das pessoas de tantas terras.

Por estas levadas passaram muitos segredos, – de miséria e desabafos de fortuna, – que a água, sempre a correr, foi levando para o mar. E é para homenagear esse rumorejo da água brando por vezes, zangado por outras, a caminho do mar, durante séculos, que versejámos, inspirados nas Fontes do grande poeta Afonso Lopes Vieira:

Três bicas deitando, / chorando, / cantando, / correndo / por entre canaviais; / Moinhos gemendo, / moendo aos ais…/ Bocas refrescando, / cântaros enchendo, / bulhando, / lavando, / regando vinhas e quintais…/ Chorando, / correndo, / falando, / de fome tremendo, / o mar estremecendo, / a maresia sabendo…/ Ouvi num brando falar: / um par a namorar…/ as coisas lembrando / que não voltam mais…/


  • Diretora: Lina Maria Vinhal

Todos os direitos reservados Grupo Media Centro

Rua Adriano Lucas, 216 - Fracção D - Eiras 3020-430 Coimbra

Powered by DIGITAL RM