27 de Outubro de 2021 | Coimbra
PUBLICIDADE

Inspeção automóvel com regras mais apertadas a partir de 1 de novembro

18 de Setembro 2020

A inspeção automóvel vai passar a ser mais exigente já a partir de 1 de novembro. As regras vão ser mais apertadas e vão contemplar novos critérios na avaliação, como a falta de limpeza e o rigor na contagem da quilometragem, de forma a evitar possíveis fraudes.

A deliberação do Instituto de Mobilidade e dos Transportes (IMT) já foi publicada em Diário da República em julho e as novas regras vão ter que ser cumpridas a partir de 1 de novembro, procurando ir assim ao encontro da diretiva 2014/45/UE que visa harmonizar em toda a União Europeia as exigências ao nível da inspeção de veículos. O IMT defende que, desta forma, vai ser possível “um reconhecimento mútuo das inspeções realizadas nos vários países” e ressalva, ainda, que as alterações a introduzir decorrem das “inovações tecnológicas desenvolvidas pela indústria automóvel e a inerente necessidade de atualização dos métodos e procedimentos de inspeção aplicáveis”.

Certo é que, muito em breve, os centros de inspeção automóvel portugueses vão ter que se adaptar às novas regras de avaliação, bem como os automobilistas, que vão ter que ser ainda mais cuidadosos e atentos na hora de levar o seu carro à inspeção.

Uma das grandes novidades é a questão da limpeza. A nova diretiva diz que “sempre que as condições de limpeza prejudiquem as observações durante a inspeção, o veículo deve ser reprovado e o inspetor deve descrever na ficha de inspeção a não realização dos ensaios e verificações correspondentes por não existirem condições de limpeza”.

Haverá também um controlo da alteração do número de quilómetros entre inspeções, de forma a prevenir possíveis manipulações dos conta-quilómetros no momento da venda de veículos usados. Essa informação ficará anotada na ficha de inspeção e passa a ser informação obrigatória nas seguintes.

Direção assistida, controlo eletrónico de estabilidade e sistema eletrónico de travagem passam a constar também da lista de itens a verificar.

As novas regras

Para que saiba com o que contar e o que acautelar antes de se dirigir ao centro para fazer a inspeção obrigatória, aqui ficam as principais alterações – desdobramento de todas as deficiências detetadas, detalhando a sua definição para que sejam comparáveis entre inspeções realizadas por diferentes inspetores e para que sejam facilmente compreensíveis pelos proprietários dos veículos inspecionados; introdução de anexo específico para deficiências relacionadas com veículos híbridos e elétricos; introdução de deficiências específicas de veículos de transporte de crianças e de transporte de deficientes; introdução de deficiências relacionadas com sistemas EPS (Direção Assistida Eletrónica), EBS (Sistema de Travagem Eletrónico) e ESC (Controlo Eletrónico de Estabilidade); e definição de novos valores máximos de opacidade de acordo com a diretiva.

São, ainda, introduzidos dois novos tipos de deficiências, nomeadamente o já referido controlo de alteração do número de quilómetros entre inspeções e o controlo das necessárias operações de “Recall” quando estão envolvidas questões de segurança e aspetos relativos à proteção do ambiente (nomeadamente as emissões poluentes).

No total, a deliberação publicada em Diário da República conta com 26 pontos, onde são explicados todos os “passos” a adotar nas inspeções, juntando as novas regras às que já se encontram em vigor.

Novas regras, mais cuidados

Com a introdução destas regras mais apertadas, os condutores devem também redobrar os cuidados. Antes de irem com o veículo à inspeção periódica obrigatória devem assegurar-se que está tudo conforme as exigências e, se necessário, devem visitar a oficina e aconselhar-se com o mecânico.

Recorde-se que o controlo das condições técnicas dos veículos é “um imperativo nacional e comunitário” que, como explica o IMT, visa “a melhoria das condições de circulação dos veículos, através da verificação periódica das suas características e das suas condições de segurança, com particular importância para a salvaguarda da segurança rodoviária”.

Uma obrigação, portanto, de todos os automobilistas, cuja periodicidade varia de acordo com a idade do veículo, que tem como finalidade maior a segurança, a sua mas também a dos outros.


  • Diretora: Zilda Monteiro

Todos os direitos reservados Grupo Media Centro

Rua Adriano Lucas, 216 - Fracção D - Eiras 3020-430 Coimbra

Powered by DIGITAL RM