6 de Maio de 2021 | Coimbra
PUBLICIDADE

MANUEL BONTEMPO

A arte de Luís Pimentel

23 de Abril 2021

Este pintor recria toda uma natureza na elegância das formas, na delícia do convívio com os seus quadros, que representam, mentalmente, as mil personagens do seu mundo onírico e a satisfação específica que se dilui em formas subtis e no dinamismo dos conteúdos.

Pintura que procura sempre as faculdades superiores há muito que se distinguiu no desenvolvimento das atividades espirituais, que estão nas curvas, no singular desenho, na vida consciente e no saboroso instinto de criador, da energia que é, em parte, a consciência biológica dum artista admirável que transfigura velhos conceitos em novos conceitos, na relação lógica e nas metamorfoses, de exposição para exposição com novas filosofias estéticas nunca abandonando o seu estilo, a sua sensibilidade, a inteligência do ser, o círculo de compreensão, que lhe permite as perfeitas composições de movimentos internos dos quadros, o clímax elevado, na forma clássica, sobretudo no retrato, numa rara omnimoda na aplicação das tintas, do lápis, no desenho invulgar que é aferição da beleza que seduz, do que prende.

Luís Pimentel é dos maiores pintores de Coimbra, único no retrato, distinguido pela crítica por onde passa com a sua obra.

Considera a pintura como um credo ou a ciência da natureza, partindo da fé e das causas, como concebe o quadro, tantas vezes olhando para a tela branca, começando a pintar, num ato inteiramente intuitivo, depois acorda e na experimentação nasce a sua “verdade” em obras magníficas.

Foi há anos a maior exposição no Salão Chiado numa mensagem universal da arte de Coimbra na minúcia da forma e do conteúdo.

Sem os excessos dos realistas ou da estética dos parnassianos, mas, isso sim o subjetivismo temático que iguala os grandes pintores ibéricos e nomes conceituados da cidade do Mondego, José Berardo, Susana Harrison e outros, numa galeria de notáveis.

A pintura deste magnífico artista tem todas as condições de leitura universal, pois possui uma gramática larga, escorreita, com a combinação das leis, teorizando para constituir em definitivo o quadro, entre a sensibilidade e a inteligência, numa melodia articulada, onde o verbo, a música se dilui para ficar as tintas, as cores, os desenhos, a prodigiosa visão estética dum artista que muito honra a sua terra!


  • Diretora: Zilda Monteiro

Todos os direitos reservados Grupo Media Centro

Rua Adriano Lucas, 216 - Fracção D - Eiras 3020-430 Coimbra

Powered by DIGITAL RM