27 de Outubro de 2021 | Coimbra
PUBLICIDADE

ANTÓNIO INÁCIO NOGUEIRA

Testemunhos: Como te chamam? Ana

8 de Outubro 2021

Neste artigo e no próximo, vamos falar algo sobre dois nomes de mulheres que me são estimados (além de bonitos) e muito usuais em Portugal: Ana e Maria. Iniciemos as suas abreviadas histórias pelas da Ana.

A origem do nome Ana vem do hebraico Hannah e está associado a uma mão cheia de valores bem significativos, por exemplo: a compaixão e a intervenção na resolução dos infortúnios do próximo, pessoa sempre disposta a perdoar e a desculpar quaisquer erros ou defeitos de outrem. Muitos outros há, mas ficamo-nos por aqui.

Sem dúvida alguma, Ana é um dos nomes femininos mais populares no mundo e em Portugal também. Além da docilidade da pronúncia, também é fácil e comum encontrarmos belas combinações de Ana com outros nomes, como por exemplo, Ana Maria. Outro aspeto interessante do nome é que, para além das múltiplas combinações com Ana precedendo outros nomes, como o caso acima assinalado, também encontraremos o nome Ana sucedendo a outros.

Dentre as mais importantes citações ancestrais encontradas para o nome, há registos de que Ana foi uma deusa mãe gaulesa católica (romana). Ana, ou Santa Ana como ficou conhecida pelos católicos, foi a mãe da Virgem Maria.

Há também algumas passagens bíblicas que fazem referência ao nome, por exemplo, Ana é citada como a mãe do profeta, – Aquele que, entre os Hebreus, predizia o futuro por inspiração divina.

E, Agora, A Todas As ANA`S do Mundo Ofereço Este Poema.

ANA

I

Ana, se eu fosse Ana,

Regozijava o dia de hoje.

Daquela forma vadia,

Que tu transformas em alegria,

Em magia.

Teatral,

Musical,

Arrebatadora.

De corações conquistadora.

II

Ana, se eu fosse Ana,

Regozijava o dia de hoje.

Rodopiava,

Cantava,

Comemorava,

A serenata da vida,

Já sentida.

III

Ana, sê lutadora.

Umas vezes serás triunfadora,

Outras vezes perdedora.

Olha, levanta-te contra a maré,

As árvores também morrem de pé.

IV

Ouve Ana,

Nunca esqueças o passado,

E (re) constrói, dia-a-dia, o futuro.

Com as pedras do muro,

Que sempre foi vigoroso e duro.


  • Diretora: Zilda Monteiro

Todos os direitos reservados Grupo Media Centro

Rua Adriano Lucas, 216 - Fracção D - Eiras 3020-430 Coimbra

Powered by DIGITAL RM