24 de Setembro de 2021 | Coimbra
PUBLICIDADE

ANTÓNIO INÁCIO NOGUEIRA

TESTEMUNHOS – Quando eu fui à Lua!

27 de Setembro 2019

Volvidos 50 anos, um dia, «fui à Lua», – como hoje em gíria popular se afirma, sempre que se atinge o dito clímax. Enxerguei, com estes olhos, num pequeno ecrã de uma televisão a preto e branco, um homem a pisar o solo lunar. O que parecia ser irrealizável estava, ali, à nossa beira.

O acontecimento foi de tal modo surpreendente que deixou em dúvida uma parte bem significativa da população portuguesa, principalmente a menos alfabetizada. Lembro-me que depois do acontecimento fui visitar o meu avô e ouvi, de imediato, uma pergunta: – Ò Tó, aquilo foi tudo mentira, não foi? Retorqui que era verdade e tentei explicar porquê. Mesmo assim, a dúvida existencial permaneceu.

Neil Armstrong deu os primeiros passos na Lua no dia 21 de julho de 1969. Antes de descer da escada, descreveu a superfície lunar como “um granulado muito fino”. Não muito depois de Neil, foi Buzz Aldrin que caminhou na lua. Buzz descreveu a quimera como “magnifica desolação.”

A missão da Apollo II é um daqueles acontecimentos que tendo quase tudo para correr mal e em que poucos acreditam, acaba por metamorfosear-se, provavelmente, no maior feito de sempre da humanidade. Os quase 13 minutos dramáticos da descida final até à Lua são o melhor exemplo disso: falhas iniciais de comunicações com Houston, alarmes do computador de bordo, local de aterragem que Armstrong teve de alterar no último minuto para evitar uma cratera, combustível em perda.

A missão Apollo II durou oito dias e três horas.

Depois de ler, ver e saber tudo aquilo fiquei estupefacto, mas, fundamentalmente, reconheci-me muito pequenino (como o povo costumava dizer) perante o feito daqueles homens. A sua competência elevada e as altas capacidades de natureza tecnológica, a inteligência emocional excelente revelada, as formas superiores de controlar o medo perante o perigo eminente de morte. Deslumbramento! Tudo, Tudo, Tudo, é superior nestes dois homens.

O que os fez ou tornou assim? O treino permanente e exigente? O estudo aprofundado? Características genéticas? Traços de personalidade amoldáveis? E o que andará de inato em tudo isto?

Não sei. Só sei que foi possível.

Pensei que a partir desse dia a tecnologia iria tomar conta da vida de muita gente e o individualismo também.

Não errei muito…

Mas, pesar de tudo, oiçam bem, caros leitores, Pela Primeira Vez Calquei a Lua!


  • Diretora: Zilda Monteiro

Todos os direitos reservados Grupo Media Centro

Rua Adriano Lucas, 216 - Fracção D - Eiras 3020-430 Coimbra

Powered by DIGITAL RM