8 de Maio de 2021 | Coimbra
PUBLICIDADE

ANTÓNIO INÁCIO NOGUEIRA

Testemunhos: Dostoiévski, autor de obras-primas da Literatura Universal

16 de Abril 2021

Dando continuidade ao artigo anterior e no cenário já escrito, fui encontrar duas obras de Fiódor Dostoiévski (1821-1881), um escritor russo autor de Os Irmãos Karamázov e Crime e Castigo, obras-primas da literatura universal.

Um deles era minha pertença, adquirido por mim ou pela minha mulher, já não sei. O outro, mais velhinho, vem do meu pai, mas não foi adquirido por ele, a sua origem vem muito mais detrás.

A minha biblioteca é muito pobre no que respeita às obras de maior destaque de Fiódor Dostoiévski. Do que investiguei podemos ainda mencionar os seus seguintes livros: Pobre Gente (1846), O Duplo (1846), Noites Brancas (1848), Humilhados e Ofendidos (1861), Memória da Casa dos Mortos (1861), Memórias do Subsolo (1864), O Jogador (1866), O Idiota (1869), Os Demónios (1872) e o O Adolescente (1875).

Os seus romances não só abordavam questões existenciais, culpas, suicídio e estados patológicos, como a predileção pelo fantástico, pela sátira e pela comédia. O escritor também não hesitava em lidar com as grandes questões políticas e religiosas.

A Infância e Juventude do escritor não foi das mais afortunadas. Nasceu em Moscovo, Rússia, no dia 11 de novembro de 1821, tendo ficado muito cedo órfão de sua mãe.

Esteve em São Petersburgo onde cursou a Escola de Engenharia Militar. Em 1839, o seu pai, que era médico, foi assassinado na fazenda onde vivia. Tal acontecimento provocou graves transtornos na vida de Dostoiévski, que teve os primeiros ataques de epilepsia quando soube desta fatalidade.

Em 1847, Fiódor Dostoiévski envolve-se numa conjuração no combate ao regime de Nicolau I. É preso e condenado à morte. No entanto, no derradeiro instante, teve a sua pena comutada em deportação.

Passou cinco anos penosos na Sibéria, sujeito ao regime de trabalhos forçados em parceria com criminosos comuns. Durante mais cinco anos foi soldado raso num batalhão siberiano. Nessa época, casa-se com Maria Issáievna.

Amnistiado em novembro de 1859, Dostoiévski volta para São Petersburgo totalmente transfigurado pela dura experiência. As lembranças da vida na clausura são descritas nos livros Memórias da Casa dos Mortos (1861) e Memórias do Subsolo (1864).

Os Demônios, publicado em 1871, é um grande romance político, uma caricatura dos círculos de conspiradores, revolucionários, anarquistas, niilistas e ateus, e dos seus actos, bem conhecidos do escritor a partir da sua própria experiência. A obra foi alvo de ataques sistemáticos e duros da imprensa, chegando alguns a classificar de confusa a sua estabilidade mental.

Os Irmãos Karamázov (1880), que como acima já foi dito, faz parte da minha biblioteca, foi a última obra de Dostoiévski e é considerada, porventura, a sua obra-prima. Mais uma vez o delito é o mote fulcral. Muitos viram no enredo uma reprodução da vida intelectual russa.

Fiódor Dostoiévski faleceu em São Petersburgono no dia 9 de fevereiro de 1881, vítima de epilepsia, doença grave que nunca mais curou desde a morte do pai.


  • Diretora: Zilda Monteiro

Todos os direitos reservados Grupo Media Centro

Rua Adriano Lucas, 216 - Fracção D - Eiras 3020-430 Coimbra

Powered by DIGITAL RM