25 de Setembro de 2021 | Coimbra
PUBLICIDADE

ALICE LUXO

Tertuliar

16 de Novembro 2018

“Apesar das ruínas e da morte,

Onde sempre acabou cada ilusão,

A força dos meus sonhos é tão forte,

Que de tudo renasce a exaltação

E nunca as minhas mãos ficam vazias”

Nas palavras de Sophia de Mello Breyner Andresen, celebramos a Vida e o mês em que assinalamos o seu 99.º aniversário: novembro.

No ar há um aroma quente a lareiras acesas, castanhas e natureza. Natureza quente? Se as temperaturas desceram e a Estrela até vestiu o seu manto invernal…

Amarelos, laranjas, vermelhos: as cores quentes com que a Natureza nos brinda ao passearmos pelos nossos parques e jardins (o Jardim Botânico já reabriu, caríssimos leitores!, é tempo de retomarmos os nossos passeios).

Tertuliando à volta da mesa, deixamos que o ritmo das palavras vá dando lugar aos silêncios reconfortantes de uma bebida quente (adotamos as canecas e não as tradicionais chávenas, para assim manter as mãos em concha e, estrategicamente, prolongar sensações de bem-estar).

Biscoitos de azeite, bolo de laranja e…

(porque será que o tempo frio reclama doces? “parece que os gelados também se vendem mais no inverno”, alguém diz)

…torradas em fatias de “bolo da Páscoa” (tradicionalmente da época pascal passou a estar disponível ao longo do ano, mantendo a cozedura em forno a lenha!), barradas com doce de chila e polvilhadas com canela, dióspiros descascados, o polme colocado em taça e polvilhado com canela (o toque alquímico das especiarias!), alguém reclama a presença da broa e do queijo da Serra e assim a mesa fica… “supimpa”.

Novembro chega acompanhado de “bolinhos e bolinhós”, uma tradição que nos convida a partilharmos um pouco do que temos (essencialmente alimentos mais “lambareiros” do que nutritivos) com quem nos bate à porta e nos brinda com uma cantilena. Alguém partilha a experiência vivida em terra de amigos onde a tradição foi em boa hora recuperada, abrindo sorrisos e escancarando portas numa noite que se revela celebração de um espírito de comunidade em que se vive um lema singelo: “dar nunca nos tira nada”.

Em dia de S. Martinho manteve-se a tradição: fomos à adega (a)provar o vinho novo.

Terras de Sicó, Bairrada e Ribatejo: uma trilogia que serviu de mote a partilhar experiências vividas na Feira da Golegã (Feira de S. Martinho desde 1571) onde o nosso cavalo lusitano é rei e a arte equestre é vivida de forma verdadeiramente singular. Jeropiga e castanhas “de mãos dadas” neste cenário verdadeiramente único que convidamos os nossos leitores a (re)visitar… no próximo ano! (a edição de 2018 terminou no dia 11.11)

Novembro a meio, preparam-se os Lagares para reabrir e transformar as nossas azeitonas em ouro gastronómico. Nesses dias, à mesa, bacalhau assado com batatas a murro: uma tradição que se mantém e … tem vindo a ser recuperada em modo turismo cultural, valorizando práticas ancestrais que se revelam em toda a sua autenticidade e como forte contributo para a sustentabilidade dos territórios.

Relembramos que a nossa Região mantém um calendário de atividades culturais diversificado, da música ao teatro e à dança, da gastronomia e vinhos às caminhadas,… convidando-nos a (re)descobrir aromas, cores e vivências que só o frio e a chuva nos oferecem e que dão força ao mote: “a Vida é sempre”.

O nosso convite, esse mantém-se, caros leitores: Tertuliemos!


  • Diretora: Zilda Monteiro

Todos os direitos reservados Grupo Media Centro

Rua Adriano Lucas, 216 - Fracção D - Eiras 3020-430 Coimbra

Powered by DIGITAL RM