29 de Novembro de 2021 | Coimbra
PUBLICIDADE

LUCINDA FERREIRA

Suave brisa

21 de Junho 2019

À medida que o tempo avança, a nossa consciência vai-se alargando. Vamos deixando para trás a sedução de situações enganadoras. Vivemos mais profundamente os sentimentos. Somos mais verdadeiros com Deus, connosco, com os outros. Isto deve-se sobretudo à promessa que nos foi feita por Deus (Apocalipse): “Eis que farei novas, todas as coisas”.

Aqui se inclui velhice, medos e todas as coisas ruins, visto “TODAS as coisas” incluir tudo! Confiamos no plano do Criador que não brinca, até ao fim, com quem ama.

O processo da consciência é sermos capazes de ter esse conhecimento e querermos transformar-nos! Não é pelo que damos a Deus, mas pelo que recebemos d’ Ele, que vamos evoluindo lentamente.

Razões estranhas do amor, Ele chama-nos pelo nome. Ultrapassa todos os limites. Nada importa. Apenas que queiramos receber! Quanto mais pobres somos, maior será o presente. O amor do Criador, pelo Universo e por cada coisa criada, revela-se no requinte e perfeição de tudo o que existe.

Não é teórico ou ilusão, basta observar atentamente. É algo tão real que sentir essa presença e essa mesma beleza e força em nós, faz toda a diferença.

Pex, Simão Pedro era um pobre homem sem horizontes: apenas as redes e o lago lhe bastavam. Um dia, contudo, Jesus olhou nos seus olhos… Seduzido Simão, como todos os que são tocados, acreditam piamente na palavra do sedutor, escutou algo, que antes nunca tinha ouvido de alguém interessado em o amar. -“Simão. Há dentro de ti, um lugar maravilhoso que ainda não conheces. Há um homem novo!”

Não é um milagre. É algo como o florescimento natural fecundado pela terra, que depende da nossa confiança em nos e na abertura à mudança. Tal como Jesus olhou nos olhos de Simão Pedro, fá-lo hoje também, a cada um de nós, para que cheguemos todos, ao nosso melhor. E como alcançar esse homem/mulher novo adormecido quiçá, que há em cada um de nós?

Isso será possível, quando nos deixarmos fixar pelo olhar de Jesus precioso e sagrado, nessa sedução leve como a brisa, mas profunda como a eternidade inevitável. O perigo é como um abismo escorregadio, pois se não O deixamos entrar em nós, certamente não há lugar vazios.

As maquinações vergonhosas do mal, no mundo de hoje, se encarregarão de seduzir o nosso olhar pregado no ilusório (riquezas, poder, vícios, dinheiro, etc), tornando os humanos execráveis. Mesquinhos. Miseráveis. Desprezíveis, embora sob aparência de gente muito importante e poderosa.

E cada segundo que se vive é o momento de mudar de direção. Basta escutar o convite que nos é feito, a todos, no mais profundo da nossa alma. Pare de olhar para trás. Como era no passado.

Descobrir o ser maravilhoso que está dentro de si e que pela ignorância, olhos vendados, correrias, preconceitos, falta de atenção, ainda não conseguiu chegar lá, é a sua prioridade mais urgente!

Por que dorme ao frio, relento, sem abrigo refém de situações terríveis, medos, dificuldades diversas e ainda não tomou posse de algo tão extraordinário, preparado para cada um de nós, desde toda a eternidade? Por que deixou de amar por rancor. Foi agressivo para os outros e ficou mal consigo mesmo ou mais bravo ainda. Foi mesquinho. Entra em desespero, tantas vezes? Perante esta conversa, um dia decide mudar… – Mas, por onde hei-de começar?

O processo do espírito de sair da inconsciência é lento. Precisamos ter muita calma. É mais fácil ensinar do que aprender, embora todos tenhamos que passar pelo processo da aprendizagem… O processo do inconsciente, a mente, a memória tem tudo guardadinho. Atuante para nosso mal, quando a matéria é pesada. Traumas. Medos. Aflições arrastam-nos para atitudes. Comportamentos que nos surpreendem! Fazemos. Dizemos o que não queremos. Não fazemos e dizemos o que queremos e muitas vezes, arrependemos-nos. No processo do medo, agimos compulsivamente, como crianças. O exercício do autoconhecimento impõe-se. O que sabemos sobre nós? Os outros? O mundo?

O trabalho de tornar consciente o material da “caixinha negra”, matéria explosiva, que nos faz sofrer tanto, é possível, quando somos capazes de superar (sozinhos ou ajudados) crenças inculcadas, quando não tínhamos condições de nos defender e que agora sabemos que têm de ser substituídas, com uma nova pedagogia do amor e da reconciliação interior!

Despojar-se do homem velho, da mulher velha. Cuidar de pequenas libertações é o começo. Ter consciência dos nossos medos. Saber que quem nos fez isso, não fez por mal. Reconciliar-se com tudo e todo o passado é urgente. Quando o medo toma conta de nós é o grande momento da conversão! Confiar numa força maior, no Espírito Santo é seguro e libertador.

O Espírito de Deus tem poder para mudar tudo o que precisa ser mudado! Ele está disponível para quem faz tudo o que pode e entrega o que não tem força para mudar. Está lá livre. Esperando…

Hoje, a Física Quântica confirma a eterna Palavra de Deus. Tudo está em aberto. Disponível. Só é necessário tomar posse dessa Paz. Amor. Mudança. Certeza. Segurança. Alegria! Dessa Libertação! Ser um novo Homem livre e feliz! Ser uma nova Mulher livre e feliz, através da limpeza da alma. Da substituição de padrões que pesaram durante tanto tempo e são substituídos, pelo poder da nossa vontade aberta à Graça e Misericórdia do Pai, que continua aguardando, respeitando ao nosso livre arbítrio.

Faça algo por si e ajude o mundo nessa sua escolha. Hoje é o dia…


  • Diretora: Zilda Monteiro

Todos os direitos reservados Grupo Media Centro

Rua Adriano Lucas, 216 - Fracção D - Eiras 3020-430 Coimbra

Powered by DIGITAL RM