28 de Maio de 2020 | Coimbra
PUBLICIDADE

MANUEL BONTEMPO

O ser humano de mil caras

10 de Janeiro 2020

Ser homem vertical nesta caminhada hipócrita e corrupta.

O homem desce cada vez mais nesta escala de valores, vai por aí abaixo e torna-se o “homenzinho” cheio de vícios, cheio de más intenções, este “homenzinho” que nasceu do pecado original no sangue, do nada que é nada, “nihil est intellectu quod prius non fuerit in sensuni intellectu ipse”.

Este ser deformado tão contemporâneo encontrou uma escapatória para fugir às boas maneiras das Sagradas Escrituras, e tornou-se venal, e é a faca para ferir o seu irmão, para lesar o seu semelhante.

O homem social viciado é um perigo iminente para a comunidade.

É deste bicho-homem que muitos se isolam numa revolta contra esta fauna, de tipos moralmente medíocres de fisionomias endócrinas, perturbadas nas funções morais, patológicas, ou ainda nas psicoses do mal que é, a bem dizer, um círculo maníaco-depressivo, que os leva a vestir mil casacas para prejudicar o outro.

São as caricaturas de políticos, alguns que deitam espuma no palavreado, mentirosos, ordinários.

E há os criminosos, os traficantes, os que roubam o Estado, os sequestradores, os homicidas, os pedófilos, os violadores, o tráfico de influências manejado por indivíduos de alto coturno na administração pública nos municípios, no funcionalismo da banca, de gestores de gente até ligada à justiça que passam muitas vezes sem o castigo merecido.

Detestar e castigar estes criminosos talvez seja o nosso substratum ético ou uma revolta mística do nosso existencialismo cristão ou do nosso neopositivismo.

Mas este mal atinge a própria fé da igreja de uns tantos no abuso de crianças.

O Papa Francisco procura fazer uma limpeza com as dificuldades inerentes ao privilégio que gozam imerecidamente certos ministros da igreja apostólica romana.

Mas seja lá o que for não podemos com os ambíguos, os trafulhas, os petulantes, os hipócritas, os arranjistas, os andróginos da palavra e da honra.

A sinecura e a perfídia estão na alma destas “caricaturas” que agrava cada vez mais uma sociedade desumanizada, anti religiosa de uma linha de conduta racionalmente fundamentada no dever do cidadão.

E há pedaços pré-fabricados dos defensores do dolo. Do que comete o mal social, sistematicamente anti-cultura, metendo os pés pelas mãos que lembra o dito de Mallarmé: “É preciso exprimir o que se sabe exprimir”.

O homem na sua dimensão moral só se enxerga com lupa.

Se a psicanálise, e bem assim a psiquiatria, podem, de certa maneira, catalogar estas psicoses endógenas, é muito difícil ao cidadão comum aceitar homens por homenzinhos que não deixam de ser figuras de opereta que muito mal fazem à sociedade.


  • Diretora: Zilda Monteiro

Todos os direitos reservados Grupo Media Centro

Rua Adriano Lucas, 216 - Fracção D - Eiras 3020-430 Coimbra

Powered by DIGITAL RM