17 de Abril de 2024 | Coimbra
PUBLICIDADE

Coimbra vai retomar Casamentos da Rainha Santa Isabel

27 de Janeiro 2023

Coimbra vai realizar em julho os Casamentos da Rainha Santa Isabel, padroeira da cidade, retomando uma tradição descontinuada há mais de 30 anos, numa iniciativa que envolve várias entidades da região.
O evento vai decorrer em todos os anos ímpares (para não coincidir com as procissões), no domingo anterior ao Dia da Cidade e da Rainha Santa Isabel (4 de julho), numa cerimónia que junta na organização a Câmara Municipal de Coimbra, a Turismo Centro de Portugal, a Confraria da Rainha Santa Isabel, a Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal e a Escola de Turismo de Portugal de Coimbra.
A intenção de recuperar esta tradição foi anunciada numa conferência de imprensa, que teve lugar esta segunda-feira (23), no Salão Nobre da Câmara de Coimbra, onde estiveram presentes as cinco entidades que farão parte da comissão executiva do evento.
O presidente da Confraria, Joaquim Nora, esclareceu que a vontade de retomar os casamentos surgiu após uma exposição feita em 2021 por aquela entidade, na qual foram exibidos dois vestidos de noiva oferecidos à Rainha Santa, tendo desafiado depois as restantes entidades agora envolvidas.
Segundo o responsável, os últimos registos destes casamentos são do tempo da Presidência da República de Ramalho Eanes (1976 a 1986), que apadrinhou o evento que, na altura, teve a boda no Jardim da Manga.
Após o anúncio desta novidade, será divulgado posteriormente o calendário e como se irá processar a candidatura aos casamentos por parte dos noivos, sendo necessário pelo menos um dos elementos do casal residir no concelho de Coimbra e estarem os dois em condições de celebrar um casamento católico.
De acordo com Joaquim Nora, “haverá um limite máximo de sete casamentos”, estando ainda por definir o processo de seleção, antevendo que a “condição socioeconómica possa ser um critério diferenciador”. A escolha dos casais será feita pela comissão executiva composta por representantes das cinco entidades que compõem a organização: José Vieira, pela Confraria Rainha Santa Isabel, Dora Santana, pelo Município de Coimbra, Carlos de Figueiredo, pela Turismo do Centro, José Madeira, pela Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal e Filipe Carvalho, pela Escola de Turismo de Portugal de Coimbra, que irá deliberar por maioria dos votos expressos, tendo o presidente da comissão direito a voto de qualidade. A entrevista será um dos critérios já definidos para a seleção dos sete casais candidatos.
As inscrições encontram-se abertas até 28 de fevereiro, através do correio eletrónico (secretario@rainhasantaisabel.org).
Questionado sobre o investimento financeiro que será realizado neste evento, o presidente da Confraria Rainha Santa Isabel salientou que o mesmo terá “um orçamento zero”, querendo a organização garantir donativos por parte de vários agentes económicos “para assegurar hotel para a noite de núpcias, alianças, fatos de noivo e noiva ou até a boda”.
No entanto, tal “depende dos agentes económicos”, aclarou, referindo que os patrocínios ou donativos ainda não estão assegurados ou garantidos.
O presidente da Câmara, José Manuel Silva, realçou que “qualquer cidade que se queira projetar para o futuro tem de começar por tratar bem das suas tradições e das suas raízes”. Para o autarca, o retomar dos casamentos terá também a sua importância numa vertente turística e de promoção da cidade.
Também o presidente da Turismo Centro, Pedro Machado, destacou o potencial de atração turística do evento.
Os casamentos da Rainha Santa Isabel aconteceram pela última vez em finais dos anos 70, no século XX. Eram destinados a casais com algumas dificuldades económicas, a quem eram oferecidos enxovais.


  • Diretora: Lina Maria Vinhal

Todos os direitos reservados Grupo Media Centro

Rua Adriano Lucas, 216 - Fracção D - Eiras 3020-430 Coimbra

Powered by DIGITAL RM