22 de Fevereiro de 2020 | Coimbra
PUBLICIDADE

SANSÃO COELHO

Coimbra merece futebol de primeira

7 de Fevereiro 2020

Na passada terça-feira durante a narração do jogo (RTP-1) entre o Académico de Viseu e o FC Porto, para a primeira mão das meias-finais da TAÇA DE PORTUGAL, foi erradamente referido que a melhor posição do Académico (de Viseu) na Primeira Liga ou Campeonato Principal tinha sido o sexto lugar. Foi um lapso retificado ao intervalo. Fizeram confusão com o CLUBE ACADÉMICO DE COIMBRA o TAL que mudou de género após o Futebol da ASSOCIAÇÃO ACADÉMICA ter sido obrigado a sair da CASA-MÃE (sede da AAC). Pergunto, hoje, se não teria sido preferível, afinal, continuar com esta DESIGNAÇÃO (CLUBE ACADÉMICO de COIMBRA) e inserir-se mais na cidade, na sua indústria e comércio e no coração dos conimbricenses. O futebol é uma FORÇA SOCIAL que promove cidades e regiões. Apesar de exageros nos valores pagos a alguns atletas, valores aviltantes perante a pobreza ou até a classe remediada ou média dos que gostam desta modalidade, o futebol é um fenómeno de massas cientificamente estudado tal como as receitas que gera direta e indiretamente. A proliferação de equipas com o nome-âncora de ASSSOCIAÇÃO ACADÉMICA DE COIMBRA banaliza e esvazia, na minha opinião, a razão nuclear, a MÍSTICA que gerou um apoio universal à BRIOSA como equipa que jogava de igual para igual contra clubes profissionais, mas os da Académica de então eram jogadores-estudantes prioritariamente vocacionados para concluírem as suas formações escolares médias ou superiores. Não podemos exigir à atual Académica que joga na II Liga que compita de igual para igual com Braga e Guimarães, por exemplo, e bata o pé aos históricos grandes como Benfica, Porto e Sporting. Não há dinheiro suficiente para comprar jogadores de excelência e formar uma equipa forte. E cada vez é mais difícil conciliar o estudo com a prática profissional de futebol de elite. A Universidade, os Atuais Estudantes e os Antigos Estudantes contribuem com que verbas mensais? E reveem-se na atual Académica? E em qual Académica das várias da Secção de Futebol até às do Organismo Autónomo de Futebol? A Académica fragmentou-se, mas, digo-o com o maior respeito, o valor das DIVERSAS PARTES FICA AQUÉM DO VALOR DO TODO, pelo menos, SIMBÓLICO, que teve A BRIOSA até aos anos setenta, como ideal e como prática. Como PARADIGMA.

Respeito as várias correntes de opinião e estou aberto a que me expliquem soluções para além das que já foram publicitadas para o que julgo ser um problema financeiro, matricial, fundacional e de necessidade de sedimentar IDENTIDADE CLUBÍSTICA, IDENTIDADE CITADINA E IDENTIDADE AFETIVA. Somos COIMBRA cidade académica SEMPITERNA, mas as circunstâncias mudaram e muito. Quixotismos podem entravar a constituição de uma equipa de futebol forte que represente futuramente e com o BRIO da velha BRIOSA, COIMBRA, a nossa Região e de forma implícita a mais Antiga Universidade Portuguesa.

A terminar deixo um aceno de simpatia a jogadores, atual técnico, dirigentes e apoiantes que estão a contribuir para a Académica/OAF na Liga 2 ter deixado os lugares da cauda e, qual Fénix, renascer das quase cinzas para nos deixar AINDA com água na boca para a hipótese de uma subida ao escalão principal.

COIMBRA MERECE FUTEBOL DE PRIMEIRA.


  • Diretora: Zilda Monteiro

Todos os direitos reservados Grupo Media Centro

Rua Adriano Lucas, 216 - Fracção D - Eiras 3020-430 Coimbra

Powered by DIGITAL RM