6 de Dezembro de 2019 | Coimbra
PUBLICIDADE

SANSÃO COELHO

Aumento de rendas estrangula (também) associações

29 de Novembro 2019

Há cerca de um ano fiquei preocupado com a notícia de que uma associação de Lisboa sem fins lucrativos e com sede na baixa (Academia de Recreio Artístico) e julgo ser a segunda mais antiga do país, poderia vir a ter que fechar portas. O motivo era o aumento estrangulador da renda da sede. Isto não acontece só com associações populares em Lisboa pois há idosos que tiveram de deixar as suas residências em zonas centrais ou típicas e foram forçados a viver longe do centro da capital ficando afetivamente deslocados, perdendo os vizinhos de sempre. Se o turismo massificado já tinha “derrotado” Barcelona, Madrid e outras capitais, o mesmo, porventura, poderá acontecer com Lisboa e Porto: e outras cidades do nosso país que se cuidem. O turismo traz dinheiro, marcas de cosmopolitismo, mas esta massificação turística com o boom do alojamento local tem implicado situações melindrosas e, na realidade, o aumento de rendas tem afetado parte da população.

Ainda a propósito do aumento de rendas: em Lisboa como em Coimbra e noutras cidades universitárias é gritante o problema da subida do preço dos quartos para os estudantes. Se para alguns agregados familiares o acolhimento de um estudante pode trazer uns euros significativos e quase indispensáveis para ajudar na economia doméstica, o aumento de rendas nos quartos e uma espécie de estandardização do negócio angustia estudantes deslocados e em especial os pais que pagam. Nada a opor em relação ao negócio, mas pensamos nas tremendas dificuldades que devem experimentar pais com filhos deslocados e hospedados em quartos em cidades universitárias medianamente cosmopolitas. É evidente que seria bom que aumentasse (e rapidamente) a construção de residências universitárias para atenuar o problema ou surgirem soluções afins. É que a corda não pode puxar só para um lado…

Retomando o que se escreveu no início há já coletividades que começam a ficar com a corda na garganta devido ao aumento das rendas. Passar de uma renda de cem euros para mil e tal euros, por exemplo, é um rombo nos cofres minguados das nossas associações populares e sem fins lucrativos que realizam um relevante trabalho social e cultural no país. E por isso pergunto: NÃO SERÁ OPORTUNO SUGERIR QUE OS MUNICÍPIOS QUE RECEBEM O IMI (Imposto Municipal Sobre Imóveis) subsidiem a diferença entre o valor da renda antiga das sedes destas associações e o valor da renda atual utilizando para o efeito as verbas do IMI e, apenas, em casos de evidente necessidade/justificação? Gostava de saber quantas associações das cerca de sessenta mil existentes no país não estarão em situação idêntica à vetusta associação lisboeta referida, ou seja, COM A CORDA NA GARGANTA… e com o senhorio a bater à porta?

O jornal “Público”, há cerca de um ano, num trabalho de Mariana Correia Pinto relativo ao dramático assunto de quartos para universitários, utilizava o oportuno e significativo título “SENHORIOS SEM LEI, ESTUDANTES SEM CASA” para dar conta da “vida em suspenso dos universitários” deslocados. Com a vénia devida e a camaradagem necessária para estes casos apetece-me titular hoje (acrescentando) numa atrevida aproximação: SENHORIOS SOBEM RENDAS, BAIXA NÚMERO DE ASSOCIAÇÕES.


  • Diretora: Zilda Monteiro

Todos os direitos reservados Grupo Media Centro

Rua Adriano Lucas, 216 - Fracção D - Eiras 3020-430 Coimbra

Powered by DIGITAL RM