24 de Outubro de 2021 | Coimbra
PUBLICIDADE

CLARA CORREIA

As multas não tiram férias!

17 de Setembro 2021

No dia 1 de agosto acordei aborrecida comigo… “ando há meses para comprar umas sapatilhas e nunca mais compro. Se não forem vermelhas que sejam de outra cor mas hoje vou comprar umas sapatilhas!!!”, pensei.

Fui para o Chiado cheia de ânimo para, finalmente, comprar as sapatilhas. Entrei numa primeira loja na Rua do Carmo. Experimentei uma sapatilhas que valiam, em saldo, 91 euros e pensei: “Isto não é um saldo!”. A Clarinha-Patinhas saiu da loja com as mãos vazias mas continuava animada. Entrei numa segunda loja na Rua Garrett e experimentei umas sapatilhas de 74 euros. Aquele ainda não era o preço que eu estava disponível para pagar. Na mesma loja olhei para umas sapatilhas que me pareceram interessantes e experimentei o único par disponível, meio número acima do meu. Pareceu-me que estavam bem e quando perguntei o preço fiquei muito feliz: 51 euros. “Isto sim é um bom preço”, pensei com orgulho. Saí da loja aos “pulos de alegria” porque finalmente tinha umas novas sapatilhas e podia reformar as anteriores.

Apanhei o metro para Telheiras e ali tive a tentação de apanhar um táxi que me levaria até casa de uma amiga que me tinha convidado para almoçar. Não gosto de andar de carro em Lisboa mas como o dia me estava a correr bem tomei a decisão de ir de carro até ao Parque Europa e deste modo pouparia o dinheiro do táxi.

Assim foi, levei o carro. Depois de passar pelo estádio do Sporting vi um polícia “obrigar-me” a desviar o meu percurso. Eu tinha acabado de passar um sinal vermelho e… fui apanhada.

Sou (quase sempre) uma verdadeira “menina do coro” ao volante mas naquele dia portei-me mal e não tive sorte. Fiquei muito irritada comigo (e não com o polícia) porque podia ter esperado uns segundos pela cor verde. Paguei a multa e pensei: “Lá se foi a poupança das sapatilhas!!!”

Cheguei finalmente a casa da minha amiga e quando ela me veio receber à porta da sua casa, com um ar de espanto, perguntei: “Aquele M ali é de metro?”. Escutei o “sim” com uma cara assustada porque visito aquela casa há mais de 20 anos e nunca tinha reparado que tem uma paragem de metro em frente. Da minha casa à casa da minha amiga a distância de metro é muito curta: duas paragens. Naquele dia no entanto tive que percorrer 120 euros e uma pena suspensa de distância… as multas não tiram férias!

P.S. Tive vontade de voltar ao Chiado para devolver as sapatilhas mas fui forte… vão ficar de castigo, dentro da sua caixa, durante os seis meses de duração da pena suspensa.


  • Diretora: Zilda Monteiro

Todos os direitos reservados Grupo Media Centro

Rua Adriano Lucas, 216 - Fracção D - Eiras 3020-430 Coimbra

Powered by DIGITAL RM