14 de Abril de 2024 | Coimbra
PUBLICIDADE

LUCINDA FERREIRA

Analisar ou julgar?

2 de Agosto 2019

Há uma grande diferença entre estas duas atitudes de analisar e julgar.

Analisar, sob o ponto de vista da nossa energia, é algo desejável.

– “Em tal e tal situação, eu faria assim ou assado.”

Ela ou ele fizeram muito diferente.

Posso não concordar e até ter que me afastar, para minha maior paz, mas… Embora não concorde, lutarei para que tenha a liberdade de se expressar como quiser.

Julgar é um ato de superioridade. Dominador e até desagradável.

“Eu sei tudo. O outro não sabe nada. Enfim, coisas do EGO… Sou eu que tenho a receita para todas as coisas. As tentativas dos outros pouco ou nada valem”.

É bem provável que o outro se souber do meu julgamento, se zangue. Separação vai acontecer certamente…

Analisar é um ato desejável.

Ver se esse ato ou situação estão corretos, sob o ponto de vista da energia do próprio.

É preciso ter muito claro o que é bom ou mau para si mesmo.

Esta diferença entre analisar e julgar é imprescindível nas nossas vidas.

Não podemos perder a noção do que nos acontece, pensando que isso é julgar!

Fica então assente, que querer que outro fizesse assim ou devia fazer assim, de forma diferente do que fez, isso é julgamento.

Se considerar que o outro agiu ou a situação está de acordo, com o que eu faria, estou a analisar.

Contudo, lutarei para que o outro faça, como entende, defendendo o direito de agir como quiser, embora possa vir as sofrer as consequências da sua liberdade.

“Quem julga o próximo, será o próximo a ser julgado… O único risco que se corre ao julgar, é o de ser injusto.” (?)


  • Diretora: Lina Maria Vinhal

Todos os direitos reservados Grupo Media Centro

Rua Adriano Lucas, 216 - Fracção D - Eiras 3020-430 Coimbra

Powered by DIGITAL RM